2021…

O Verão de 2020 trouxe-me de novo ao Second Life.

Sinceramente, nem foi o confinamento derivado ao Covid 19. Há muito que andava com a ideia de voltar mas a decisão tomei-a, efectivamente, naquela altura.

Vivo o SL de uma forma diferente, provavelmente, de outros AV. 

Gosto de dançar o que, há anos, na RL não faço, por conseguinte, é uma diversão recorrente…

Visitar locais novo tem sido uma constante (muitos dos antigos de que gostava, desapareceram) e tirar fotos algumas fotos, também.

Nao tenho grande novidades para contar. 

Reencontrei pouca gente da minha listagem de conhecimentos, porque a maioria está desaparecida. Ou então temos horários diferentes.

Apraz-me, no entanto, ter reencontrado um AV daqueles tempos e verificar que até podemos conviver sem chocar feitios. Ou, então, ambos amadurecemos. 

Nao tenho grandes novidades para contar… a não ser que a minha Land é um espectáculo. Como sempre desejei ter. E, de novo, o devo a Marina Xi que me proporcionou uma ilha incrível para viver.

Os passeios na Ilha Encantada onde se transforma numa sereia dançando no lago ou na neve brincando com as raposas o regresso só pode ser feliz.

Ficam as fotos do regresso e de eventos onde estive presente; algumas foram tiradas por mim. Outras, confesso, surrupiadas ao AV fotógrafo a quem agradeço pedindo desculpa pela ousadia.



Aradhana e os amigos: Ritinha, Sting e Silver
Aradhana e Silver
O Silver e as borboletas…
E o Dragão voa…

Até um dia destes.

Voltarei…

A dançar regresso.

1 - ARADHANA festa ANDREA BOCELLI.png

Quase três anos depois, estou de volta.
Sentar-me em frente ao écran sentindo uma irrealidade quase real onde o barulho do mundo não faz eco, traz-me uma sensação onde tudo e nada é possível.
Ouvir vozes, música, risos na solidão de uma casa enorme onde só o canário Pipoca e o canito Sting fazem eco dos seus sons traz-me um conforto inimaginável no lidar do dia.
Gosto de solidão, é verdade.
O sossego e conforto da minha casa dá-me uma paz interior que me faz esquecer que existe um mundo lá fora.
Um mundo real cada vez mais difícil onde o ruído das notícias e de tudo o que o ser humano faz a outrem me faz doer a alma.
A Aradhana tem o seu mundo próprio. De imaginação. Onde tudo é possível: desde dançar no ar a voar sobre as águas agitadas do mar. Onde não há guerras, nem políticos, nem incêndios, nem maldade.
Um mundo virtual onde nada nos toca. Nada nos fere.
São estas as imagens do meu regresso. O espaço é de bom gosto e de boa música pertença do grupo *MADaboutDANCE*_CLUB onde a Dj Sophia Bandler nos alegra e faz rodopiar nas músicas que escolhe.
Volto às letras que gosto e da satisfação de as partilhar.
Bom dia!

2 Mad about Dance _Co. HOME, Noxious (241, 76, 3503) -

Snapshot_002.jpg

E a Aradhana volta a dançar.

Sessão Fotográfica

A Sofia Ishelwood foi a culpada da grande transformação da Aradhana. As imagens falam por si. Já a noite ia alta quando terminou a sessão. O meu agradecimento à Sofia pela arte e pela paciência pela minha inexperiência.